Dependência de internet afeta o funcionamento neuropsicológico?

addict_varvelA dependência de internet (DI) é um tema que tem atraído a atenção de muitos pesquisadores. A DI é caracterizada pelo uso excessivo da internet, comprometendo a atividade laboral, acadêmica e social. Um estudo realizado por pesquisadores coreanos (2014) teve como objetivo investigar a associação entre DI, impulsividade, personalidade e o funcionamento neuropsicológico. Vinte e três adultos jovens (média de 23,22 anos) com DI foram comparados com adultos jovens saudáveis (média de 22,42 anos) sem DI. Os grupos não diferiram quanto a idade, sexo, escolaridade e QI.

Para classificar os participantes com DI foram aplicados o Teste de Dependência de Internet (TDI). O teste é uma escala likert de cinco pontos, com itens que avaliam vários comportamentos em relação ao uso e atitudes na internet. A pontuação varia de 20 a 100 pontos. Neste estudo foram considerados com DI, os participantes que pontuaram acima de 70 pontos e que acessavam mais de 4 horas a internet. Também foram aplicadas outras escalas para avaliar sintomas depressivos e ansiedade. Os resultados evidenciaram diferenças significativas entre os grupos, com presença de sintomas de depressão e ansiedade no grupo DI. Para mensurar a impulsividade utilizou-se a escala BIS-11 e TCI para avaliar a personalidade. Na avaliação neuropsicológica foram utilizados alguns instrumentos tradicionais (Digit Span, Teste de Trilhas, Teste de Stroop e Fluência Verbal) e uma bateria informatizada para mensurar a flexibilidade cognitiva, a memória operacional e o controle inibitório (Cambridge Neuropsychological Test Automated Battery – CANTAB).

Os resultados evidenciaram diferenças significativas entre os grupos em relação a impulsividade e as características de personalidade, mas não em relação ao desempenho nos instrumentos de avaliação neuropsicológica. Foram observadas correlações significativas entre a impulsividade, características de personalidade e medidas de controle inibitório. Segundo os autores estes resultados aparentemente contraditórios (ausência de comprometimento neuropsicológico) pode ser explicado pelo fato de que a amostra no estudo foi composta por participantes com QI elevado (maior que 120), o que provavelmente assegura uma maior reserva cognitiva, e também, pela evidência de que os usuários que frequentam assiduamente a internet desenvolvem habilidades (estratégias) cognitivas compensatórias. Os resultados deste estudo são interessantes por evidenciar que a impulsividade na DI pode estar relacionada com características de personalidade e o funcionamento neuropsicológico, particularmente, o controle inibitório.

 

Referências

Choi, J.-S., Park, S. M., Roh, M.-S., Lee, J.-Y., Park, C.-B., Hwang, J. Y., … Jung, H. Y. (2014). Dysfunctional inhibitory control and impulsivity in Internet addiction. Psychiatry Research, 215(2), 424–8. doi:10.1016/j.psychres.2013.12.001

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s